Agentes cumprem oito mandados de busca e apreensão na casa dos suspeitos. Houve a apreensão de uma arma de fogo, além de aparelhos telefônicos, eletrônicos e documentos

Policiais civis cumprem, na manhã desta sexta-feira (2/8), oito mandados de busca e apreensão em casas de ex-servidores lotados na Fundação de Amparo ao Trabalhador Preso (Funap) durante 2017 e 2018. A investigação da Divisão de Repressão à Corrupção e aos Crimes Contra a Administração Pública (Dicap/Cecor) indicam que os investigados teriam fraudado o sistema de pagamento das bolsas de amparo aos apenados.
A apuração do caso, que apontou o descontrole nos pagamentos das bolsas de ressocialização dos detentos vinculados à Funap, por meio da realização de trabalhos dentro e fora dos presídios, foi noticiado com exclusividade pelo Correio Braziliense, em junho deste ano. A profissionalização dos presos é um direito garantido pela Lei de Execução Penal, mas conforme levantamento da reportagem, apenas 30% da população carcerária têm contratos laborais externos.
A investigação da Cecor, em apoio com o Núcleo de Controle e Fiscalização do Sistema Prisional (Nupri) do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), identificou que há erro na conduta desses ex-servidores comissionados da fundação, que realizaram pagamentos destas bolsas de forma descontrolada ao longo dos dois anos de atuação.
Nesta fase da Operação Pecúlio, policiais realizam as buscas para obter elementos que auxiliem no aprofundamento da apuração dos supostos crimes. Até a manhã desta sexta-feira (2/8), tinham sido apreendidos uma arma de fogo, aparelhos telefônicos, eletrônicos e documentos. Todo o material passará por análise pericial.